Contador de visitas especiasi...

segunda-feira, 28 de março de 2011

PreVue, um conceito de cinta com ultrassom 3D para você conhecer seu filho antes dele nascer

Melody Shiue, um designer industrial, da Universidade de Nova Gales do Sul idealizou um produto chamado PreVue. Ele é um acessório que poderá ser usado no abdômem da gestante fazendo com que outras pessoas tenham um contato melhor com o bebê por um display.
O PreVue lhe dá a oportunidade de interagir mais com o bebê e acompanhar o seu crescimento dentro da barriga da sua mãe. Porém, mais importante que isso, ele também serve como uma ferramenta para entender a personalidade do seu bebê. Com o PreVue você pode ver se o bebê está cochilando, bocejando ou sorrindo. Dessa forma você acaba se aproximando mais dele, mesmo antes dele estar em seus braços.
O produto ainda é um conceito, longe da realidade, mas quando estiver pronto, pretende manter a mãe em um estado de espírito otimista, pois ele expande a ligação materno-fetal. Há quem diga de que o projeto mereça prêmios de designer por se tratar de algo que ninguém jamais tinha visto antes, além de ajudar no processo de gravidez.
De acordo com estudos feitos pela Universidade, quanto mais cedo uma ligação materna for criada com a criança, maiores são as chances dela nascer mais saudável. Por isso eles consideram muito importante ter essa ligação desde quando o bebê é um feto. Além do pai ter a oportunidade de ver como o seu filho está dentro da barriga da mãe, ele também pode participar do processo de interação antes do parto, criando um laço melhor ainda com os pais da criança.
O PreVue vem com algumas recomendações, uma delas é fazer com que o bebê reconheça a voz da mãe o quanto antes. Estudos já revelaram que o bebê é capaz de reconhecer a voz da sua mãe a partir da 18ª semana, ou seja, em torno do 5º mês. Isso significa que o bebê começa a aprender desde quando está no útero. Por isso o PreVue também sugere que as mães tentem educar o feto através de uma música enquanto batem sobre a barriga, durante o processo eles ainda podem acompanhar as reações que são exibidas no display.
A faculdade também pesquisou sobre músicas especificas que as mães cantam durante a gravidez, eles acabaram descobrindo que a mãe pode acabar usando a mesma melodia para acalmar o bebê após o parto e durante uma parte da sua infância.
Conceitualmente o projeto é ótimo, mas será que na prática ele vai se sair tão bem quanto no papel? Vamos esperar ele começar a ser produzido para tirarmos nossas próprias conclusões.

Sonhei com minha mãe....

Bom meninas não se se vcs se lembram mas minha mãe faleceu em setembro de 2009,faz um ano e seis meses que ela faleceu,eramos unha e carne,tudo o que faziamos era juntas, feira,mercado,açougue,padaria nos tornamos vizinhas depois que casei já com o intuito de cuidar dela que não estava muito bem de saúde e qdo ela realmente se internou e que o médico disse não tem jeito a ficha começou a cair e juro a vcs,não perdi a fé em um só minuto sabia que era muitooooo grave mas tbm sabia que Deus faz milagre e porque não acreditar que poderia acontecer conosco não é mesmo?
Pois então o sonho dela era ser avó e o meu era ser mãe,qdo contei a ela que seria tentante ela ficou muitoooo feliz e qdo ela estava na UTI ainda conseguiu dizer que seria a avó mais feliz do mundo isso não saiu mais da minha lembrança e não pensem que foi fácil depois que ela se foi mas consegui entender que era a hora dela e levar a familia para frente um filho de 13 anos,um de 25 e meu pai que ficoi bem triste e que aos poucos fomos nos tornado fortes...
Bom depois do falecimento dela sonhei com ela muitas vezes e ela estava sempre muitooooo bem...
Mas esta noite tive um mega sonho com ela,o mais lindo de todos...
Sonhei que ela estava doente em uma casa estranha,estava sozinha e eu é quem cuidava dela,mas não via ela doente ela estava precisando de cuidados mas a fisionomia dela era ótima...
Ai ela chega em mim e diz filha vc está grávida?
Eu respondi não estou mais gostaria...
Ela disse,nossa mas vc está com jeito de gravida,parece até que sua barriga está diferente...rs
Ah eu disse não sei mãe está tão dificil...
Ela disse filha não desanima se não for agora está muito perto e eu vou cuidar muitooo de vc e comprar muito aquele danone que vc adora....
Acordei tão emocionada,quis compartilhar com vcs,acredito muito em sonhos sem contar que um desses faz muito bem não é mesmo???
Bom meninas é isso,só compartilhando as emoções....rs
beijusss
Olá amigas...
Tudo bem com vcs???
Por aqui tudo bem graças a Deus,final de semana fui ver se comprava minhas cortinas do quarto e da sala,acabei comprando apenas da sala porque do quarto eu creio que dará mais trabalho,tem que ser por encomenda enfim mas eu já gostei de algumas e cotei bons preços....
Ontem fui na feira da gestante,bebe e criança com o marido ele adorou mas ao mesmo tempo ficou triste de ver tantas grávidas,tantos babys nossa ele disse um dia vou vir aqui com vc grávida e será muitooooo melhor,deu até dó mas o que eu posso fazer não é mesmo???
Vou postar algumas fotos do meu quarto,de como ficou as paredes e aos poucos vou mostrando a sala e tudo que foi feito aqui...
beijus a todas....

terça-feira, 22 de março de 2011

Amigas....

Hoje recebi uma ligação de um clinica de reprodução humana,eles vão fazer uma palestra sobre infertilidade,mas me ofereceram uma consulta gratuita para que eu pudesse esclarecer sobre os tipos de tratamentos,preços enfim...
Fiquei feliz mas ao mesmo tempo pensei ai meu Deus nesse momento não tenh grana será que seria bo eu ir neste lugar???
Será que não acenderia uma chama em meu coração que está na luta porém entedendo que tudo tem seu tempo???

Será que eu não vou ficar ansiosa,triste????
Tantas perguntas,poucas respostas o que vcs acham meninas???
O que devo fazer?
Meu marido acha que devemos ir,mas ao mesmo tempo fica precupado comigo porque não temos grana agora estou no maior dilema a consulta é sexta feira estou pensando em não ir pelo menos por enquanto sei lá....rs
Boa noite a todas...
beijusss

Tipos de mucos....

Muco cervical é indicador confiável de fertilidade, diz estudo
Durante décadas, especialistas em fertilidade disseram às mulheres interessadas em engravidar - ou em evitar uma gravidez - que o muco cervical indica qual é o momento mais favorável para a concepção. Uma nova análise demonstra que, em 98 por cento dos casos, o "pico" da secreção ocorre em uma janela de quatro dias englobando o período da ovulação.
O muco é liberado na vagina e tende a apresentar alterações na quantidade e consistência durante o período em que a mulher está ovulando, sendo de fácil verificação.

Os resultados sugerem que a técnica é mais precisa do que alguns outros métodos usados para determinar a fertilidade, como medir pequenas alterações na temperatura corporal, disse à Reuters Health Richard J. Fehring, da Marquette University, em Milwaukee (Wisconsin), nos EUA.

No entanto ele observou que avaliar a produção de muco cervical pode ser um meio menos exato do que utilizar testes comerciais que analisam os níveis de um determinado hormônio presente na urina feminina, que tende a aumentar no dia anterior à ovulação. "A vantagem da auto-observação do muco é que ela é grátis", lembrou Fehring.

Geralmente, as mulheres têm uma janela mensal de seis dias em que podem ficar grávidas, explicou o cientista. "O muco cervical parece atingir sua qualidade máxima dois dias antes da ovulação que, segundo as pesquisas mais recentes, são os mais férteis do ciclo feminino", explicaram os pesquisadores.

Dessa forma, o dia em que ocorre o pico no muco cervical sinaliza o princípio do final do período em que a mulher pode conceber, disse o pesquisador. Os casais que querem ter filhos deveriam fazer sexo nos dias anteriores ao pico de produção e nos seguintes, enquanto os que desejam evitar filhos deveriam esperar até quatro dias após o aumento na produção do muco, informou Fehring, em artigo publicado na revisa Contraception.

Quanto mais uma mulher monitora a quantidade de muco existente na vagina e as alterações que ocorrem durante o mês, mais capaz se torna de prever os períodos mais férteis, explicou o pesquisador.

"No pico de fertilidade, o muco é muito viscoso, e a mulher perceberá a umidade e viscosidade na vulva. A maioria notará a presença de um tipo de muco muito volumoso, viscoso, claro e semelhante a clara de ovo. Após a ovulação, o colo do útero se fecha e resseca e a mulher sentirá novamente uma sensação de secura e saberá que não está mais fértil", disse o pesquisador.

Fehring analisou quatro estudos em que voluntárias observaram a produção de muco cervical durante um mês e as alterações nos níveis do hormônio usado para diagnosticar a gravidez em exames de urina. O estudo incluiu informações sobre 108 ciclos menstruais de 53 pacientes.

Os pesquisadores explicaram que os níveis de muco aumentam em resposta a variações no nível de estrogênio, que ocorrem quando o óvulo feminino está pronto para ser fertilizado pelo espermatozóide. O muco contém substâncias que permitem que o espermatozóide sobreviva no ambiente hostil da vagina por tempo suficiente para fertilizar o óvulo.

Quando o colo do útero abre no momento de maior fertilidade, aquele muco viscoso será liberado em grande quantidade, permitindo que sinta a mudança na vagina, explicou Fehring.

segunda-feira, 21 de março de 2011

Noticias minhas...

Olá amigas...
Tudo bem com vcs???
Comigo tudo bem graças a Deus corrido como sempre mas está prestes a acabar a reforma não vejo a hora...rs
Bom meninas sábado eu sai com minha madrinha para comprar uma maquina de lavar e foi o maior transtorno,vou contar o que aconteceu para que todas fiquem espertas com a roubalheira deste mundo..rs
Então ano passado essa minha tia foi em uma loja do magazine luiza aqui perto onde moramos para comprar um notebook,então o vendedor ofereceu o cartão da loja mas como ela tinha o din din para comprar a vista ela decidiu não fazer o cartão,como a mercadoria não tinha na loja ela preencheu um cadastro e foi feito um documento como ela havia pago e retiraria no prazo maximo de 10 dias...Passaram se 10 dias e nada da mercadoria então ela foi na loja e cancelou a compra pegou o dinheiro de volta...
Semana passada recebeu uma ligação do magazine dizendo que ela estava com uma divida de 14 mil reais por compras realizadas com o cartão na loja do magazine...Nós achamos que era um trote porque os dados eram muito dieferentes do que realmente são da minha tia esqecemos o assunto,mas sábado na hora de comprar a máquina de lavar descobrimos que era verdade,minha tia não pediu este cartão,ela nunca viu este cartão do magazine luiza por isso acreditamos que o vendedor que er novo na loja mais o pessoal que aprova o credito fizeram alguma coisa porque lá consta dois cadastros embora estejam em nome da minha tia o nome da mãe é diferente,o cpf tbm e o endereço tbm...A renda da minha tia foi alterada para 6 mil reais ela ganha mil apenas....
Ficamos pasmas com a palhaçada,não podemos confiar mais nem em vendedores agora a loja cancelou as vendas e bloqueou o cartão pediu um prazo de 7 dias para investigar e ver o que será feito,mas decidimos processar porque passamos uma vergonha na outra loja,olha é complicado demais essas coisas...
Decidimos cancelar todos os cartões de lojas com bandeira e deixar somente os do banco provisoriamente,assim corremos menos riscos...
Por isso meninas cuidado com o Magazine Luiza,cartões e tipos de vendedores,chegamos a conclusão que só pode ser o vendedor porque ela não tinha cartão então não foi clone,ela não falou com ninguém sobre seus documentos a não ser no magazine e ela não foi assaltada todos os documentos estão com ela por isso achamos que foi o vendedor.O ruim é que ele comprou fora com o cartão dela e as lojas não pderiam documento como a centauro,show e biz e tbm a world tenis o cartão é mastercard mas não tem chip o prudente seria pedir rg e isso não foi feito,comprovar uma renda de 6 mil não é facil,tirar do estoque tv de lcd de 42 polegadas sem nota fiscal e nenhum documento assinada é estranho por isso deve ter varias pessoas envolvidas...
Conto isso aqui para que vcs fiquem ainda mais atentas a todas as transações que vcs vão fazer....
Espero que sirva de alerta a vcs amigas...
Depois volto com novidades...
bjkas

quinta-feira, 17 de março de 2011

Boa noite...

Oi amigas...
Boa noite...
Ufa consegui arrumar um tempinho e dar noticias a vcs...
Bom meu dia hoje foi mega corrido,predreiro,tintas,lixas,fazer comida,cuidar de pai,irmão ufaaa que dia longo e a noite foi tão curtinha...rs
A obra está acabando mas os detalhes parecem que demoram uma eternidade,ai não vejo a hora de ver a casa limpa e todas as minhas coisas no lugar,escolher cortinas novas,fazer um almoço bem gostos e chamar uns amigos,amooooooooooooo receber as pessoas na minha casa,mas do jeito que estava não tinha coragem,meu marido é meio relaxado com isso,gosta de tudo arrumado mas não gosta de fazer,espera a casa cair para tomar uma atitude mas graças a Deus ele fez bastante coisa,minha casa vai ficar uma gracinha a sala pintamos uma parede lilás o restante branco e vou ver se encontro um adesivo de parede bem legal para colocar próximo ao sofá ou um quadro moderno sei lá...
No quarto fizemos listras em tons de bege,branco e chocolate em uma parede e o restante bege e branco para não ficar muito escuro...
Banheiro só o teto e colocamos um gabinete em tom salmão que ficou uma gracinha....
Cozinha tbm só o teto e vou ver se troco os armários...
O quintal dá um trabalhão tinha muita coisa para fazer mas eu contratei uma pessoa pra fazer porque o meu marido jamais faria o que ele está fazendo...
Bom meninas é isso assim que estiver pronto coloco aqui umas fotinhos para vcs verem tá???
Obrigada pelo carinho de vcs
beijusss

quarta-feira, 16 de março de 2011

Olá

Bom dia amigas...
Tudo bem com vcs???
Estou ótima porém muita cansada com essa correria da reforma,hoje qdo acordei disse ao meu marido amor eu nem dormi e o relógio já despertou???rs
Não é possivel como as noites estão passando rápido...rs
Bom tirando isso está tudo bem,periodo fertil na area a namoros em dia,vamos ver no que vai dar,espero que Deus reserve uma surpresa a nós dois...
Obrigada a todas que estão seguindo o blog isso é bom porque me sinto animada a escrever sempre,aos comentários responderei sempre que possivel...
Aline não achei muita coisa sobre reguladores mentruais conto com a sua ajuda...
Um ótimo dia a todas...
Amo vcs...
beijuss

terça-feira, 15 de março de 2011

Prece de Cáritas .

Deus, nosso Pai, que sois todo Poder e Bondade, dai a força àquele que passa pela provação, dai a luz àquele que procura a verdade; ponde no coração do homem a compaixão e a caridade! 
Deus, Dai ao viajor a estrela guia, ao aflito a consolação, ao doente o repouso. 
Pai, Dai ao culpado o arrependimento, ao espírito a verdade, à criança o guia, e ao órfão o pai!

Senhor, que a Vossa Bondade se estenda sobre tudo o que criastes. Piedade, Senhor,  para aquele que vos não conhece, esperança para aquele que sofre. Que a Vossa Bondade permita aos espíritos consoladores derramarem por toda a parte, a paz, a esperança, a fé.
Deus! Um raio, uma faísca do Vosso Amor pode abrasar a Terra; deixai-nos beber nas  fontes dessa bondade fecunda e infinita, e todas as lágrimas secarão, todas as dores se acalmarão. 
E um só coração, um só pensamento subirá até Vós, como um grito de reconhecimento e de amor.

Como Moisés sobre a montanha, nós Vos esperamos com os braços abertos, oh Poder!, oh Bondade!, oh Beleza!, oh Perfeição!, e queremos de alguma sorte merecer a Vossa Divina Misericórdia.
Deus, dai-nos a força para ajudar o progresso, afim de subirmos até Vós; dai-nos a caridade pura, dai-nos a fé e a razão; dai-nos a simplicidade que fará de nossas almas o espelho onde se refletirá a Vossa Divina e Santa Imagem.
Assim Seja.

Diabetes gestacional.

Quadro Clínico

Algumas mulheres grávidas com Diabetes Gestacional têm os sintomas do diabetes associados com a hiperglicemia (glicose alta no sangue). Estes incluem:
Sede aumentada
Diurese mais freqüente (urina aumentada)
Perda de peso, apesar do elevado apetite
Cansaço
Náuseas ou vômitos
Infecções por fungos (candidíase vaginal, por exemplo)
Visão turva
Porém, algumas mulheres não têm nenhum sintoma detectável, razão pela qual os exames para o diabetes serem feitos de rotina no pré-natal em todas as mulheres grávidas.

Diagnóstico O Diabetes Gestacional normalmente é diagnosticado durante a o exame de rotina do tratamento pré-natal. Numa gravidez normal, os níveis de glicose estão aproximadamente 20% abaixo do que é visto em mulheres que não estão grávidas porque o feto em desenvolvimento absorve uma parte da glicose do sangue da mãe. O Diabetes é evidente se os níveis de açúcar no sangue forem mais altos que o esperado para a gravidez.
Para a mulher que é está acima do peso, que tem uma história familiar de diabetes ou tem sintomas que sugerem o diabetes, é recomendável fazer o teste de tolerância à glicose já na primeira visita pré-natal. A maioria das mulheres que não se enquadram nesta categoria devem fazer o teste entre a 24ª e a 28ª semana de gravidez.

Prevenção

Normalmente o Diabetes Gestacional não pode ser prevenido. Porém, mulheres que estão acima do peso durante a gravidez têm um risco mais alto da doença, e o controle cuidadoso do peso antes da gravidez pode reduzir esse risco. Não são recomendadas dietas com muito baixa caloria durante a gravidez porque a nutrição adequada é importante para o feto.
Complicações do Diabetes Gestacional podem ser prevenidas controlando cuidadosamente o açúcar no sangue e ser freqüentemente vista pelo obstetra ao longo de sua gravidez nas consultas pré-natais.
Depois da gravidez, você pode reduzir o risco de desenvolver o diabetes tipo 2. Exercícios regulares e uma dieta de baixas calorias têm se mostrado eficazes para reduzir o risco de diabetes em pessoas que têm risco alto para o diabetes. O medicamento Metformin (Glicofage) pode ajudar a prevenir o diabetes em mulheres que elevaram um pouco os níveis de glicose no sangue fora da gravidez, mas que não têm níveis altos o bastante para serem rotuladas de diabéticas.

Tratamento

Algumas mulheres grávidas podem persistir com a glicose no sangue em níveis saudáveis somente com dieta. Isto requer consulta a um nutricionista para montar um plano de dieta e o monitoramento dos níveis de glicose no sangue.
Se a dieta não controlar adequadamente a glicose no sangue, o médico irá prescrever insulina. Comprimidos para abaixar o açúcar no sangue não são aprovados para uso em mulheres grávidas por causa dos possíveis efeitos adversos ao feto, embora um medicamento oral (ex. Metformin) seja usado em alguns países. A Insulina é usada durante a gravidez para tratar muitas mulheres com Diabetes Tipo 1 (dependente de insulina) e o Diabetes Gestacional e parece não oferecer nenhum risco ao feto quando os níveis de açúcar no sangue são monitorados de perto.
O Diabetes Gestacional pode oferecer alguns riscos e problemas potenciais ao feto em desenvolvimento. Ao contrário do Diabetes Tipo 1, ele raramente causa problemas congênitos (ao nascimento) sérios porque na maioria dos casos ele não aparece antes do último trimestre de gravidez. Porém, um feto que normalmente se desenvolveu numa mãe com diabetes gestacional pode ter complicações durante o parto porque o ele pode ser maior que o normal (chamado macrossômico) como resultado da exposição excessiva à glicose. Níveis de açúcar no sangue administrados de forma insuficiente podem aumentar as chances de morte fetal antes do parto. O parto pode ser mais difícil, e a necessidade de parto Cesárea é mais freqüente. Se o trabalho de parto natural não aconteceu antes de 38 semanas de gravidez, o obstetra aconselhará induzir o trabalho de parto ou marcará a cirurgia para evitar problemas com o feto macrossômico.
As complicações também podem afetar o bebê depois do nascimento. Antes do parto, o feto produz quantidades abundantes de insulina enquanto está exposto aos níveis elevados de açúcar da mãe. Depois do parto, antes de sua própria produção de insulina e o bebê ter condições de se ajustar, baixo níveis de açúcar no sangue podem acontecer temporariamente (hipoglicemia pós-natal). Se a paciente tiver Diabetes Gestacional, o açúcar do sangue de seu bebê deve ser medido freqüentemente depois do nascimento. Glicose endovenosa pode ser necessária para manter o açúcar no sangue do bebê em níveis normais. Outros desequilíbrios químicos também podem acontecer temporariamente, sendo necessário monitorar o cálcio e a contagem de glóbulos vermelhos do bebê.

Quando procurar o médico?

Todas as mulheres grávidas devem receber tratamento pré-natal nas visitas regulares ao Obstetra. A maioria das mulheres deve fazer um exame de tolerância à glicose entre a 24ª e 28ª semanas de gravidez. As mulheres com risco alto de diabetes devem fazer o exame mais cedo.

Prognóstico

Na maioria das vezes, o Diabetes Gestacional é autolimitante. Em mais de três-quartos das mulheres que desenvolvem Diabetes Gestacional, os níveis de glicose no sangue voltam ao normal no final da gravidez. Porém, o pâncreas “já deu o recado” que não poderá produzir insulina em excesso quando houver necessidade aumentada no corpo. Mulheres que tiveram Diabetes Gestacional têm um risco aumentado de desenvolver diabetes gestacional novamente em gravidezes futuras. Elas também terão depois da gravidez um risco aumentado de desenvolver diabetes tipo 2, devendo medir seu açúcar no sangue regularmente, até mesmo depois que a gravidez terminou.

O que é Diabetes Gestacional?

Mulheres grávidas que nunca tiveram diabetes antes mas que apresentam altos níveis de açúcar no sangue (glucose) durante a gravidez são portadoras da chamada diabetes gestacional. A diabetes gestacional afeta cerca de 4% das gestantes - cerca de 135.000 casos de diabetes gestacional a cada ano nos Estados Unidos.
A medicina não sabe exatamente o que causa a diabetes gestacional, mas existem algumas pistas a serem exploradas. A placenta suporta o bebê enquanto ele cresce. Os hormônios da placenta ajudam o bebê a se desenvolver. Mas esses hormônios também bloqueiam a ação da insulina da mãe em seu corpo. Esse problema é chamado resistência à insulina. A resistência à insulina torna difícil para o corpo da mãe usar a insulina.
Ela pode necessitar até três vezes mais insulina. A diabete gestacional começa quando o corpo da gestante não é mais capaz de produzir e usar toda a insulina que ele precisa para a gravidez. Sem insulina suficiente, a glucose não pode ser transformada em energia. Os níveis de glucose se tornam extremamente elevados. Isso é chamado hiperglicemia.

Como a Diabetes Gestacional Pode Afetar o Bebê?

A diabetes gestacional afeta a mãe no fim da gravidez, depois que o corpo do bebê já está formado, mas enquanto ele está crescendo. Por isso, a diabetes gestacional não causa os tipos de defeitos congênitos algumas vezes observados em bebês cujas mães tinham diabetes antes da gravidez.
No entanto, o não tratamento ou o controle deficiente da diabetes gestacional podem afetar o bebê. Na ocorrência de diabetes gestacional o pâncreas trabalha excessivamente para produzir insulina, mas a insulina não consegue baixar os níveis de glucose no sangue. A insulina não atravessa a placenta, mas a glucose e outros nutrientes sim, de modo que a glucose extra do sangue atravessa a placenta proporcionando altos níveis de glucose no sangue do bebê. Isso exige que o pancreas do bebê produza mais insulina para eliminar a glucose do sangue. Desde que o bebê está recebendo mais energia do que necessário para crescer e se desenvolver, a energia extra é armazenada como gordura.
Isso pode levar à macrosomia, ou bebê “gordo”. Bebês com macrosomia enfrentam problemas de saúde, incluindo dano aos seus ombros durante o nascimento. Por causa da insulina adicional produzida pelo pâncreas do bebê, recém-nascidos podem apresentar níveis de glucose no sangue muito baixos no nascimento e estão também sujeitos a um risco mais alto para problemas respiratórios. Bebês com excesso de insulina se tornam crianças com maior risco para a obesidade e adultos com maior risco para a diabetes tipo 2.

Tratamento

Pelo fato da diabetes gestacional prejudicar a mãe e o bebê, o tratamento deve ser inicado o quanto antes. O tratamento da diabetes gestacional visa manter os níveis de glucose no sangue iguais aos de mulheres grávidas que não têm diabetes gestacional. Também, o tratamento da diabetes gestacional sempre inclui dieta alimentar especial e atividade física periódica. Pode incluir também teste diário de glucose no sangue e injeções de insulina. O acompanhamento médico é fundamental para que o tratamento possa ser alterado na medida da necessidade.
O tratamento da diabetes gestacional ajuda a diminuir o risco de uma cesariana ser necessária para o parto devido ao tamanho do bebê. O tratamento correto possibilita a mulher conduzir a gravidez e o parto saudáveis, e pode ajudar a evitar futuros problemas de saúde para o bebê.

Depois da Gravidez

A diabetes gestacional usualmente desaparece depois da gravidez mas existe uma chance de quase 70% que ela retorne numa gravidez futura. Em poucas mulheres, entretanto, a gravidez descobre diabetes do tipo 1 ou tipo 2. É difícil dizer se essas mulheres têm diabetes gestacional ou apenas diagnosticaram sua diabetes durante a gravidez. Essas mulheres precisarão continuar o tratamento da diabetes depois da gravidez.
Muitas mulheres que tiveram diabetes gestacional desenvolvem diabetes tipo 2 anos depois. Parece haver uma relação entre a tendência para ter a diabetes gestacional e diabetes tipo 2, ambas envolvendo resistência à insulina. Certas mudanças básicas no estilo de vida podem prevenir a diabetes depois da ocorrência da diabetes gestacional.

Perda de peso

Se a mulher está 20% acima do peso ideal, a perda de ao menos uns poucos quilos podem ajudar a evitar o desenvolvimento da diabetes tipo 2.

Escolha do Cardápio

Cumprir uma simples dieta diariamente, como ingerir uma variedade de alimentos incluindo frutas frescas e legumes, limitar a ingestão de gorduras para 30% ou menos do total de calorias diárias, e vigiar a quantidade de comida ingerida. Hábitos alimentares saudáveis podem ser a chave para a prevenção da diabetes e outros problemas de saúde.

Exercícios Físicos

Exercícios físicos regulares permitem ao seu corpo usar a glucose sem produção de insulina extra. Isso ajuda a combater a resistência à insulina e é o que torna o exercício físico muito benéfico para as pessoas com diabetes. É importante nunca iniciar um programa de exercícios sem o acompanhamento médico.

Principais Causas de Infertilidade Masculina .

Alterações do espermograma

Com o espermograma avalia-se, no sémen ejaculado (por masturbação após 3 dias de abstinência: relação sexual boa, 3 dias sem relações, colheita na manhã do 4º dia), o volume, o pH, a viscosidade, o tempo de liquefacção, a concentração, mobilidade, morfologia e resistência dos espermatozóides, as infecções e a presença de auto-anticorpos.
Causas das anomalias seminais. As alterações do espermograma podem ser devidas a causas genéticas (principal causa) ou secundárias (infecções genitais, álcool, tabaco, drogas, tóxicos ambientais, tóxicos profissionais, tóxicos alimentares, sobreaquecimento, medicamentos, sedentarismo).
O tempo de abstinência (2-5 dias) serve para acumular uma grande quantidade de espermatozóides no canal excretor que se localiza a seguir ao testículo (epidídimo), e que funciona como reservatório dos espermatozóides até à ejaculação. Essa quantidade é a essencial para se poderem efectuar todos os testes necessários.
O volume médio normal do sémen é de 2-5 mL. A hipospermia (diminuição do volume do sémen) e a hiperspermia (aumento do volume do sémen) indicam um número reduzido ou ausência de espermatozóides.
Um pH ácido indica infecção pelo bacilo da tuberculose ou ausência congénita dos canais excretores.
A viscosidade aumentada e o aumento do tempo de liquefação (> 30 minutos) é indicação para análise genética do gene CFTR.
A concentração normal de espermatozóides é de ≥20 milhões/mL (oligozoospermia: diminuição da concentração dos espermatozóides; azoospermia: ausência de espermatozóides).
A mobilidade dos espermatozóides é variável, mas os fecundantes têm de apresentar uma mobilidade progressiva rápida de ≥25% do total (astenozoospermia: diminuição da mobilidade progressiva rápida dos espermatozóides; necrozoospermia: imobilidade total por morte dos espermatozóides).
A morfologia normal dos espermatozóides deve ser ≥15% (teratozoospermia: diminuição do número de espermatozóides morfologicamente normais).
A resistência da membrana (mede a capacidade da mobilidade durante os 1-2 dias necessários no trajecto desde o canal vaginal até encontrar e fecundar o ovócito na extremidade distal da trompa) é calculada pela vitalidade e pelo teste hipo-osmótico, que devem ser ≥60%.
A presença de células germinais imaturas indica descamação do epitélio germinal. Ocorre geralmente nas infecções ou na diminuição da qualidade e número dos espermatozóides.
A aglutinação de espermatozóides indica a presença de anticorpos anti-espermatozóide.
A presença de leucócitos, bactérias, fungos ou protozoários indica infecção. Obriga a espermocultura para identificação dos micro-organismos e posterior tratamento.

Criptorquidia

Situação congénita muito frequente em Portugal e caracterizada pela descida incompleta dos testículos para o escroto, ficando na região abdominal ou no canal inguinal. Causa azoospermia secretora. No caso de posição do testículo na região inguinal, a criptorquidia pode e deve ser corrigida cirurgicamente (orquidopexia: reposição do testículo na bolsa escrotal) até aos 2 anos de vida. No caso do testículo se encontrar na cavidade abdominal (por não se palpar na região inguinal), deve ser feito TAC ou RMN para saber onde se localiza. Uma vez localizado, a criança deve ser operada porque o testículo intra-abdominal degenera ou transforma-se numa neoplasia maligna. Se o exame não permitir visualizar o testículo na cavidade abdominal, então trata-se de uma ausência congénita do testículo (anorquidia), o que obriga a tratamento hormonal virilizante.

Anomalias endócrinas

Toda a criança de sexo masculino com anorquidia, criptorquidia, diminuição do volume testicular, atraso de crescimento ou atraso das características sexuais secundárias próprias da puberdade (pilosidade, voz, pénis) deve ser estudada em termos endocrinológicos. Os défices do desenvolvimento sexual tratam-se com testosterona e a estimulação da produção de espermatozóides faz-se com FSH e LH.

Anomalias do cariótipo

A alteração do número ou da estrutura dos cromossomas pode causar azoospermia secretora ou perda da qualidade do sémen. As anomalias nos espermatozóides podem causar incapacidade de fecundação, paragem do desenvolvimento embrionário, perda da qualidade embrionária, falhas da implantação, abortamentos de repetição ou fetos com anomalias estruturais. Um caso particular é o síndrome de Klinefelter (47,XXY), com estatura elevada e hipogonadismo.

Ejaculação retrógrada

Nos operados à próstata, o sémen durante a ejaculação pode refluir para a bexiga urinária em vez de ser expelido para o exterior através da uretra.

Anejaculação

As lesões da medula espinhal ou dos nervos pélvicos, as doenças vasculares, determinadas medicações e distúrbios psicológicos podem causar ausência de erecção e/ou de ejaculação (anejaculação). São relativamente frequentes nos casos das lesões vertebro-medulares, traumáticas (quedas, acidentes de viação, agressões) ou por tumores da medula espinhal, que geralmente se acompanham de paraplegia. Também são frequentes nos casos das lesões dos nervos pélvicos secundários à cirurgia oncológica abdominal ou às doenças neurodegenerativas. São também frequentes nas doenças que obstruem os vasos sanguíneos, como a diabetes, as doenças cardiovasculares e os acidentes cerebrovasculares. Em casos mais raros, a anejaculação é de causa psíquica.

Azoospermia obstrutiva

Deve-se a uma obstrução ou a ausência congénita dos canais genitais excretores (epidídimo, canal deferente). Nos casos de causa genética, os pacientes devem efectuar ecografia renal (existem casos associados a malformações dos rins), ecografia pélvica (para verificar se existem malformações das vesículas seminais ou malformações/obstrução dos canais ejaculadores), bem como um estudo das mutações genéticas do gene CFTR (inclusive da esposa se o marido tiver mutações do CFTR). Pode também se devida a vasectomia (método contraceptivo masculino: laqueação dos canais deferentes). Mais frequentemente, é secundária a infecções genitais (tuberculose; doenças de transmissão sexual: sífilis, gonorreia, clamidea, micoplasma, micoses, HPV, herpes genital), a cirurgia escrotal (hidrocelo, varicocelo, remoção de quistos de epidídimo, exérese de tumores testiculares, tentativa de recanalização dos canais excretores por anomalias da junção entre o epidídimo e o canal deferente ou por obstrução inflamatória do epidídimo; tentativa de recanalização do canal deferente após vasectomia) e a cirurgia de correcção de hérnia inguinal (herniorrafia).

Azoospermia secretora

Esta doença tem múltiplas causas, genéticas e secundárias. O paciente apresenta azoospermia porque o testículo não produz espermatozóides ou produz espermatozóides em número insuficiente. Pode ser devida a criptorquidia, anomalias do cariótipo, mutações genéticas do cromossoma Y, distúrbios endócrinos, infecção testicular (papeira), exposição a tóxicos ambientais e profissionais, ou a QT/RT.

Causa desconhecida (idiopática)

Cerca de 10% dos casos de infertilidade parecem apresentar todo o sistema genital sem problemas, mas mesmo assim são inférteis. Em muitos casos, existem anomalias moleculares dos espermatozóides, para os quais não existem testes de detecção. Frequentemente, estes só se descobrem durante a fecundação in vitro, momento em que se podem observar os ovócitos, a fecundação e o desenvolvimento embrionário. As causas mais frequentes são a incapacidade de ligação ou de penetração dos revestimentos externos do ovócito, a incapacidade de fusão com o ovócito ou de o activar após a fusão. As anomalias nos espermatozóides podem causar incapacidade de fecundação, paragem do desenvolvimento embrionário, perda da qualidade embrionária, falhas da implantação, abortamentos de repetição ou fetos com anomalias estruturais.

Lesões do escroto

Hidrocelo. Acumulação congénita de líquido no escroto. Causa diminuição da qualidade do sémen.
Varicocelo. Varizes do escroto. Causa diminuição da qualidade do sémen.
Quistos do epidídimo. Podem ser congénitos ou secundários a infecções. Podem causar azoospermia obstrutiva.
Torção testicular. Acidental. Pode levar à remoção cirúrgica do testículo (orquidectomia).
Traumatismos escrotais. Podem causar azoospermia secretora.

Tumores malignos

Os tumores malignos obrigam frequentemente à remoção cirúrgica do órgão, a quimioterapia (QT) e a radioterapia (RT). Quer a QT, quer a RT (se for pélvica), são agentes esterilizantes dos testículos. No caso dos tumores malignos atingirem os órgãos genitais, pode haver necessidade de remoção cirúrgica do testículo (orquidectomia).

Anomalias anatómicas

Alteração da morfologia dos genitais externos: intersexo. Alterações do tamanho e forma do pénis (micropénis), ou da localização do meato urinário (hipospádias; epispádias). Alterações do tamanho e localização dos testículos (hipotrofia: diminuição moderada do volume; atrofia: diminuição marcada do volume; criptorquidia; anorquidia: ausência congénita do testículo).
O casal com problemas de infertilidade deve consultar um especialista de Reprodução Medicamente Assistida (RMA), quer nas consultas de infertilidade dos hospitais públicos, quer nas clínicas privadas dessa especialidade.

Bom dia....

Bom dia amigas queridas...
Nossa que delicia ter vcs aqui,ver os comentários,ver que vcs estão interagindo é bom demais...
Essa semana acho que acaba a reforma de casa,ai não vejo a hora porque a partir disso é que vamos começar a guardar dinheiro e ao mesmo tempo vamos pesquisando os lugares para o tratamento,meu médico é ótimo mas cobra caro demais principalmente a FIV custa 15 mil....
Eu já tinha começado a medir a Tb novamente,mas esses dias estão loucos e quase nem durmo direito,qto mais cansada parece que é pior então terei que adiar eu acho vamos ver como vai ficar...
Já foi feita a troca de categoria do meu plano a partir do dia 1 de abril já conta dois meses e ai posso treinar sossegada,mas para falar a verdade estou namorando e nem ligando pra isso seja o que Deus quiser,afinal a carência é só para os novos Hospitais,mas eu posso ter meu baby nos outros sem problema algum...
Ainda não fiz o preventivo porque marquei e a mosntra apareceu,agora estou no meu Periodo Fertil não quero perder,semana que vem vou fazer e já é uma coisa a menos...
Ah ontem teve namoro aqui em casa,foi tãooooooo bommmm,rs que nem lembrei de nada parece que qdo rola um clima legal tudo se fecha naquele momento não é mesmo???
Estou muito feliz hoje...
Amo vcs amigas.
beijuss

segunda-feira, 14 de março de 2011

Abortamento

Aborto de repetição: por que algumas mulheres não conseguem levar a gestação até o fim?
Considera-se abortamento a interrupção da gravidez até a 20ª, 22ª semana, ou seja, até o quinto mês de gestação. Além disso, é preciso que o feto esteja pesando menos de 500 gramas para definir o episódio como aborto espontâneo ou provocado.
O aborto de repetição é a situação na qual um casal experimenta três ou mais perdas gestacionais. Na espécie humana, o abortamento espontâneo é relativamente freqüente. 10% das gestações terminam em abortamento. Destes abortamentos, 85% tem uma causa genética, isto é, uma alteração cromossômica que inviabiliza a vida. Por esta razão, a ocorrência de um ou dois abortos é aceitável como natural. "Mas com a recidiva de três ou mais abortos, alguma outra razão deve estar interrompendo as gravidezes. Se a mulher tem mais de 35 anos, dois abortos em seqüência já podem indicar um problema", afirma o ginecologista Joji Ueno, especialista em Reprodução Humana.
Os abortos são mais freqüentes entre as mulheres acima dos 35 anos de idade. É também nessa faixa etária que aumenta a possibilidade de malformações e anomalias fetais que levam ao abortamento espontâneo. Dentre as causas conhecidas e pesquisadas pela medicina para o abortamento de repetição estão:
Causas genéticas;
  • Causas uterinas;

  • Causas imunológicas;

  • Causas autoimunes;

  • Causas hematológicas;

  • Causas hormonais e infecciosas.

  • Para investigar os abortamentos de repetição, a primeira medida é inteirar-se da época em que ocorreu o abortamento, que é considerado precoce até a 12ª semana de gravidez e tardio entre a 12ª e a 20ª semana. "Se foi precoce, as principais causas são as genéticas, as infecciosas ou as imunológicas. Já os mais tardios estão relacionados à dificuldade de expansão e de crescimento do útero, como as malformações uterinas e a incompetência cervical, isto é, a incapacidade de manter o colo do útero fechado para levar a gravidez a termo", diz Joji Ueno.
    Causas genéticas
    Estas são as causadas pelas alterações cromossômicas, que inviabilizam a vida. Alterações na estrutura ou no número dos cromossomos podem ser causadas ao acaso ou induzidas por uma alteração de cromossomos dos pais. Aquelas que ocorrem ao acaso não são repetitivas, são as causadoras de abortos ocasionais que estão dentro do percentual de 10% de todas as gestações. Aquelas herdadas dos pais é que se enquadram na repetitividade. Todo abortamento, mesmo que seja o primeiro, deverá ter o material eliminado analisado. "O habitual é realizar o exame histopatológico, isto é, o estudo microscópico do material curetado, juntamente com um exame genético, que poderá demonstrar a causa mais comum de perda gestacional. Dependendo da alteração, os pais deverão ser estudados", explica Joji Ueno. O exame solicitado aos pais é o cariótipo. Este mostrará a estrutura e o numero dos cromossomos. Se este resultado é anormal, um aconselhamento genético deve ser feito, para que o especialista em Reprodução Humana possa calcular a incidência do problema em futuras gestações. A alteração cromossômica é uma das causas mais complicada de abortamento. "Se o casal tem translocação balanceada, o risco de transmiti-la de forma não balanceada para o feto é de 25%. É um índice elevado, uma vez que em cada quatro gestações uma apresentará a alteração. Como não há tratamento que consiga modificar a genética, a única saída é partir para a fertilização assistida com a doação de óvulos ou de espermatozóides, dependendo do lado que venha o problema", recomenda o médico.
    Causas uterinas
    Alterações da cavidade uterina podem impedir o crescimento da gestação. "Existem malformações da cavidade uterina que são incompatíveis com a evolução de uma gravidez. Patologias como os miomas, pólipos e processos inflamatórios também podem agir desta forma", explica o médico. O exame para avaliação da cavidade do útero é a histeroscopia, onde é possível ter a visão direta da cavidade uterina. Em geral, os abortos mais tardios estão relacionados com malformações uterinas, como o útero didelfo (dois úteros formados por dois cornos uterinos e dois colos), o útero bicorno (dois corpos uterinos em um só colo), o útero septado (com um fenda na cavidade uterina) e incompetência cervical.
    Causas imunológicas
    Uma gestação é formada pela junção de partes do componente genético do marido com partes da mulher. O feto formado a partir de então será um ser com constituição imunológica diferente do pai e da mãe. Quando uma gravidez se instala, o feto passa a fazer parte do organismo da mãe, como um órgão transplantado. Habitualmente, quando o sistema imunológico entra em contato com um corpo estranho, desenvolve anticorpos específicos. Mas, durante a gravidez, o sistema imune 'tolera' esta situação. E um mecanismo ainda desconhecido faz com que o sistema imunológico não rejeite a gravidez. "Quando o organismo rejeita a gravidez, esse tipo de aborto se chama alo-imune, e o problema deve ser identificado e tratado antes da mulher engravidar. A genotipagem, ou seja, a pesquisa genética, mostra se há compatibilidade entre marido e mulher. Quanto maior for a compatibilidade genética, maior o risco de aborto. O ideal é que os dois sejam bastante incompatíveis, do ponto de vista genético", explica Joji Ueno. O tratamento do problema consiste em sensibilizar a mãe com os antígenos do marido por meio da infusão de leucócitos paternos antes da gravidez, para que ela crie anticorpos e reconheça o embrião quando for implantado em seu útero, já que ele carrega características genéticas do pai.
    Causas autoimunes
    Existem casos em que o indivíduo pode desenvolver anticorpos contra os próprios tecidos ou órgãos, esta alteração dá origem às doenças autoimunes, como o lupus sistêmico. Muitas mulheres podem ser assintomáticas durante a vida normal, mas no momento de uma gravidez podem exacerbar este problema, vindo a desenvolver uma desta síndromes. "As mais comuns, durante a gestação, é uma síndrome que se assemelha ao lupus e outra em que o nível de anticorpos contra cardiolipina aumenta muito", afirma o especialista. O mecanismo pelo qual o organismo induziria o aborto se explica pelo acúmulo destes fatores, causando alterações da coagulação, trombose das veias da placenta e mau funcionamento do tecido placentário. Há a possibilidade, por meio de exames de sangue de detecção das alterações autoimunes. "O tratamento, normalmente, se baseia no uso de anticoagulantes. Mas, para cada alteração há uma indicação terapêutica própria", informa Joji Ueno.
    Causas hematológicas
    Alterações dos fatores de coagulação do sangue podem aumentar na sua intensidade diante de situações hormonais especificas. Algumas mulheres não podem tomar anticoncepcionais hormonais, pois, aumentam sua a fragilidade capilar e hematomas. "Durante a gravidez, com a modificação hormonal do corpo, o sistema de coagulação pode se modificar. Se uma mulher tem esta tendência ou deficiência poderá desencadear uma trombose placentária, o que levará a um desenvolvimento diminuído do feto ou mesmo morte fetal, com conseqüente abortamento", explica o médico. O diagnóstico deste problema é feito por uma série de testes de coagulação. O tratamento pode englobar desde a prescrição de aspirinas até o uso de anticoagulantes injetáveis.
    Causas hormonais e infecciosas
    Estas são causas, que durante muitos anos, foram as únicas para explicar a origem dos abortamentos. Toxoplasmose, brucelose e outras infecções podem ser consideradas como causadoras de um aborto, mas nunca da repetição destes. A doença, na sua forma ativa, pode provocar aborto, mas após a cura, não deixa seqüela que faça a repetição das perdas.
    Os hormônios também são comumente apontados como causadores do abortamento. As deficiências na ovulação e na produção de progesterona levam à dificuldades ou à impossibilidade de engravidar. "Para que uma gravidez se instale é necessário um índice hormonal adequado, produzido pelo ovário, estimulado pela placenta", diz Ueno.
    O avanço na compreensão das falhas gestacionais vem avançando a cada ano, mas ainda existem situações, em que não é possível estabelecer a causa de uma perda gestacional repetida. "Hoje, contamos com tratamentos eficazes para quase todas as causas de abortamento repetitivo, salvo para as alterações genéticas dos progenitores", afirma Joji Ueno. Nestes casos, em que a transmissão de um gene ou cromossomo alterado pode levar a uma má malformação, o aconselhamentogenético é fundamental.
    JOJI UENO
    Joji Ueno é ginecologista, especialista em reprodução humana. Integra e dirige o corpo clínico da Clínica Gera, referência em laparoscopia ginecológica e histeroscopia. É Doutor em Medicina pela Faculdade de Medicina da USP. Coordenador de Pós-Graduação Lato Sensu, Especialização em Medicina Reprodutiva, do Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio Libanês. É também o responsável pelo Setor de Histeroscopia Ambulatorial do Hospital Sírio Libanês e fellow do The Jones Institute for Reproductive Medicine da Eastern Virginia Medical School, nos Estados Unidos.

    Tento engravidar, mas não consigo. O que fazer?

    Carreira, objetivos a serem alcançados, estabilidade financeira e liberdade. Quem não tem esses objetivos em mente? Não bastassem todos esses desafios, muitas mulheres acrescentam mais uma "missão" na fase adulta: ser mãe. A questão é encaixar o período ideal de programar o bebê, o que nem sempre é fácil.
    E devido aos inúmeros projetos profissionais, cada vez mais as mulheres adiam o sonho de serem mães. O "momento certo" de engravidar para aquelas que têm o desejo de ser mãe sempre chega, para algumas mais cedo e para outras mais tarde, mas sempre chega.
    Não há motivo para pânico se em duas ou três tentativas para engravidar não deu certo. Estima-se que as chances de uma mulher engravidar até os 30 anos sejam de 20 a 30% por relação sexual. Se 100 mulheres fizerem sexo hoje sem nenhum tipo de contracepção, menos de 30 delas conseguirão a fecundação. Engravidar não é tão fácil assim.
    Um casal só é considerado infértil se tentar regularmente a gravidez durante um ano e não conseguir sucesso. Para a Organização Mundial da Saúde, somente 15% dos casais têm algum problema de infertilidade durante a vida fértil.
    Quando não se consegue engravidar logo se pensa em métodos complexos, entre os quais a fertilização em vitro, inseminação artificial, entre outros. Muitas vezes a solução é mais simples do que se imagina.
    Alimentação inadequada, estresse exagerado e alterações emocionais são alguns dos fatores que, muitas vezes, alteram a fertilidade do casal. Muitas terapias naturais podem ajudar no controle dessas situações ou mesmo uma terapia para diminuir a ansiedade.
    Outros motivos são determinantes nas dificuldades de engravidar, como excesso de peso, idade da mulher maior que 35 anos, doenças sexualmente transmissíveis e cigarro.
    Segundo a bioquímica Carolina Ynterian, há um grupo de cinco fatores que são responsáveis por 40% das causas de infertilidade feminina:
    Síndrome dos ovários Policísticos: causada por um desequilíbrio hormonal e excesso de hormônio masculino, provoca irregularidades na menstruação, aumento dos pêlos, ganho de peso e acne. A ovulação também fica muito comprometida, o que dificulta na gravidez. Ressalta-se que a gestação pode ocorrer neste quadro.
    Endometriose: Doença que ocorre quando a mucosa que reveste o útero é expelida dentro da cavidade do abdômen ao invés de ser eliminada através do canal vaginal junto com o sangue menstrual e acaba dificultando a concepção.
    Problemas ovulatórios: Principal causa de infertilidade nas mulheres, geralmente o que ocorre é uma falha na liberação de hormônios, irregularidade no ciclo menstrual ou problema nos ovários. Mediante isso, a ovulação fica prejudicada ou completamente ausente.
    Alterações da tireóide: Aumento ou diminuição da função da glândula tireóide leva a um desequilíbrio hormonal, o que reflete no funcionamento dos ovários, consequentemente, na produção dos hormônios LH e FSH.
    Aumento da prolactina: quando há aumento deste hormônio, os ovários não funcionam direito, o problema pode bloquear ou interferir a ovulação.
    Não podemos esquecer que os homens também apresentam problemas de infertilidade e os principais são quando o homem não ejacula, não produz a quantidade adequada de espermatozóide, seus espermatozóides não se movimentam "bem", não têm uma forma normal ou não funcionam adequadamente.
    Sabendo de tudo isso, quando o casal quiser engravidar o melhor é procurar um médico e realizar todos os exames para verificar se está tudo bem e assim tentar a gravidez. Se isso não der certo, há a possibilidade de se recorrer aos métodos de reprodução assistida.

    Ácido fólico na gravidez: seu nenê precisa .

    Toda mulher que deseja ter um filho precisa redobrar a atenção para a sua alimentação e hábitos. Os cuidados com a gravidez devem ser tomados antes mesmo da mamãe estar grávida. Um bom planejamento para os próximos nove meses diminui, e muito, as chances de alguma alteração congênita no bebê.
    Portanto, saber o que comer neste período é fundamental. Digo isso porque toda futura mamãe precisa guardar esse nome na agenda: Ácido Fólico, que é uma vitamina do complexo B presente no espinafre, aspargo, brócolis, vegetais de folhas verde-escuras, fígado, frutas cítricas e gema de ovo.
    A deficiência de ácido fólico na alimentação da mamãe pode causar uma má-formação do tubo neural do bebê que está começando o seu crescimento e desenvolvimento dentro da barriga.
    O tubo neural é formado logo no primeiro mês da gestação e é o sistema nervoso primitivo do feto. Ele se desenvolverá para a formação do cérebro e da medula espinhal do bebê.
    Pois bem. Sem o ácido fólico o tubo neural pode não se fechar completamente, causando alterações como anencefalia, quando o bebê nasce com uma pequena parte ou mesmo com ausência de cérebro levando a morte poucos dias depois do nascimento, ou espinha bífida, que é a exposição da medula espinhal e que deixa seqüelas de graus variados.
    Estudos mostram que a ingestão de ácido fólico três meses antes de a mulher engravidar e três meses depois da fecundação previne em mais da metade as chances do bebê vir a apresentar alterações do tubo neural.
    Essa deficiência é um dos problemas que podem ser evitados antes mesmo do início da gravidez.
    Lembrete - Não adiante ingerir a vitamina quando a mamãe descobre que está grávida. Normalmente quando se descobre a gestação, o tubo neural já se formou e não há mais tempo do ácido fólico agir.
    Uma mamãe bem atenta e cuidadosa, que consulta seu médico antes de engravidar e recebe todas as orientações do pré-natal, pode reduzir os riscos do seu bebê nascer com algum tipo de problema.
    Reforço de ácido fólico - Por vezes, só a alimentação não oferece a quantidade suficiente de ácido fólico que a mulher precisa ingerir diariamente, pois o cozimento dos alimentos diminui a ação da vitamina. Os médicos recomendam uma suplementação para que a dose recomendada de ácido fólico seja ingerida pela futura mamãe.
    A quantidade indicada pela Organização Mundial da Saúde e defendida pelos médicos é de 0,4 miligrama por dia de ácido fólico para a prevenção de ocorrência dos defeitos do tubo neural. As mamães que já tiveram um filho com algum tipo de alteração do tubo neural merecem dose extra de ingestão dessa vitamina.
    O ácido fólico previne outras alterações também como doenças do coração, do trato urinário e fissura lábio-palatina. Para a mamãe, a vitamina traz benefícios como prevenir doenças cardíacas, certos tipos de câncer e anemia.
    A prevenção é o melhor caminho. Planejar uma gravidez é um ato de amor que você, futura mamãe, faz para que o seu “quase” bebê possa crescer e se desenvolver de forma adequada.
    Dicas
    Antes de tomar qualquer medicação consulte seu médico.
    Se já tem histórico na família de defeito no tubo neural, além do ácido fólico, é recomendado o aconselhamento genético antes da gravidez.
    Uma alimentação saudável e balanceada é sempre um bom começo para qualquer gestação.

    As 10 coisas que deve fazer antes de decidir engravidar ...

    1. Tenha em atenção o seu peso. O excesso de peso, ou a falta dele, pode aumentar as hipóteses do seu bebé desenvolver defeitos genéticos de nascença como a fenda do palato ou diabetes.
    2. Reduza o stress. Existem muitas situações que podem ser fontes de stress - aproveite este período para reflectir sobre elas. Pense no que poderá ajudar a reduzir o stress ou no que poderá ajudar a lidar com ele. O stress durante a gravidez pode levar a uma maior incidência de problemas mentais e comportamentais no bebé.
    3. Não se exponha ao fumo do tabaco, ou deixe de fumar. Uma percentagem do fumo e das substâncias malignas do tabaco ficam armazenadas na gordura corporal e demoram algum tempo a serem eliminadas. Fumar antes e durante a gravidez pode provocar o nascimento de um bebé prematuro,um bebé de peso inferior com asma e o Síndrome da Morte Infantil Súbita.
    4. Deixe de beber álcool. O corpo acumula substâncias na gordura corporal que podem demorar até um mês a eliminar. A síndroma do álcool fetal pode causar defeitos genéticos graves, bem como dificuldades de aprendizagem na criança.
    5. Saiba o seu grupo sanguíneo. Se o seu grupo sanguíneo não for compatível com o do bebé, pode provocar anemia e outros problemas como a doença de RH, que surge devido a esta incompatibilidade. No entanto, a doença de RH pode ser tratada facilmente durante a gravidez.
    6. Comece a tomar vitaminas pré-natais, cálcio e acido fólico. Ingerir vitaminas, cálcio e ácido fólico pelo menos 2 meses antes da concepção, ajuda a evitar defeitos ao nível do tubo neural como a espinha bífida e outros defeitos genéticos.
    7. Verifique a sua imunidade à rubéola e à varicela. Esta imunidade pode ser testada através de um simples exame ao sangue. É importante que saiba se tem imunidade a estas doenças antes de engravidar para que não as contraia durante a gravidez. A contracção destas doenças durante a gravidez pode dar origem a problemas no bebé na área neuromotora, lesões cutâneas semelhantes a cicatrizes, hipoplasia ou desenvolvimento incompleto dos dedos e várias lesões no sistema nervoso.
    8. Verifique com o médico assistente se os medicamentos que toma são prejudiciais à gravidez. Dependendo dos medicamentos que se encontra a tomar (medicamento para o coração, antidepressivos...) pode ter de os deixar; no entanto deve consultar-se com o seu médico acerca dessa possibilidade. Defeitos genéticos como a fenda do palato e anormalidades nos membros, podem ser provocados pela ingestão de alguns tipos de medicamentos.
    9. Faça um exame ao VIH.  Se for VIH positiva pode passar este vírus ao bebé, mas se descobrir esta condição previamente, através da administração de anti-retrovíricos pré-natais pode diminuir a probabilidade de transmitir o vírus do VIH ao bebé.
    10. Verifique o seu historial de saúde e os defeitos genéticos familiares. Verifique os registos médicos de defeitos genéticos familiares quer do lado da mãe quer do lado do pai do bebé. Tenha atenção a problemas genéticos que tenham ocorrido na família e reporte-os ao seu médico.

    domingo, 13 de março de 2011

    As melhores posições sexuais para engravidar

    Há posições sexuais mais eficientes que outras para engravidar?

    Infelizmente não há comprovação científica de que uma posição sexual é melhor do que a outra para tentar ter um bebê. Foram registradas, no entanto, imagens de ressonância magnética de casais mantendo relações sexuais em diversas posições, o que esclareceu um pouco o que acontece dentro do corpo da mulher na hora do sexo.

    Se formos nos guiar pelo bom senso, a posição papai-e-mamãe (com o homem por cima) seria a mais indicada, porque permite uma penetração mais profunda, colocando os espermatozóides mais perto da abertura do colo do útero.

    Há outras posições que poderiam aumentar as chances de engravidar (ou, no mínimo, combater o tédio na vida sexual), como a penetração vaginal por trás, com a mulher deitada de lado ou de quatro ("cachorrinho"). Nesse tipo de posição, os espermatozóides também são depositados perto do colo uterino.

    As imagens de ressonância magnética confirmaram que a extremidade do pênis chega até o espaço entre o colo do útero e as paredes da vagina nessas posições. A posição papai-e-mamãe garante que o pênis alcance o espaço diante do colo uterino (o chamado fundo de saco anterior), e a penetração vaginal por trás faz com que a ponta do pênis chegue ao fundo de saco posterior.

    O fundamental na fase de tentativas de engravidar, no entanto, é ter relações sexuais nos dias em que a mulher está mais fértil, ou seja, um ou dois dias antes da
    ovulação e também no dia da ovulação.

    Quais são as posições menos favoráveis à concepção?

    Há especialistas que afirmam que as relações sexuais em que os parceiros estejam sentados, de pé ou com a mulher por cima são menos favoráveis à concepção, por causa da força da gravidade, que dificultaria o avanço dos espermatozóides útero acima.

    Mas é óbvio que muita gente engravida com esse tipo de relação sexual, portanto não vale a pena descartar uma posição de que o casal goste só por esse motivo, a não ser que comecem a surgir dificuldades para engravidar.

    O orgasmo é imprescindível para que a mulher engravide?

    Para o homem, o orgasmo é quase imprescindível, já que é preciso haver alguma ejaculação. Mas a concepção pode acontecer mesmo sem o orgasmo masculino, porque pode haver pequenas saídas de sêmen antes do orgasmo.

    Para a mulher, recentes indícios mostraram que o orgasmo pode favorecer a concepção, porque as contrações que acompanham o ápice da relação sexual talvez ajudem a levar os espermatozóides para dentro do útero e das tubas uterinas (isso, é claro, se a mulher tiver orgasmo ao mesmo tempo que o homem ou depois da ejaculação).

    É preciso ter em mente, no entanto, que o orgasmo não é de maneira nenhuma imprescindível para que a mulher engravide.

    Existem posições mais favoráveis para fazer menino ou menina?

    Não existe nada cientificamente confirmado, apenas lendas e folclore. Segundo uma dessas simpatias, se a mulher estiver por cima, engravidará de uma menina. Você pode até tentar, mas pergunte a algumas amigas (bem íntimas) que tenham filhos e você vai ver como a regra não é garantia nenhuma!

    Devo ficar deitada depois do sexo para ajudar na concepção?

    Certos especialistas defendem que é positivo ficar meia hora na cama, sem se levantar, depois da relação sexual, para aumentar as chances de engravidar. Eles recomendam que a mulher fique deitada de barriga para cima, de preferência com um travesseiro debaixo do quadril e com as pernas flexionadas. Em tese, isso ajudaria os espermatozóides a subir útero acima em direção às trompas, já que eles não teriam que lutar contra a gravidade.

    Estudos recentes, porém, mostram que os espermatozóides saudáveis levam menos de dois minutos para alcançar as trompas, por isso, se não der para ficar meia hora deitada, alguns minutos já devem ser suficientes para dar uma mão no processo (se é que o "incentivo" aos espermatozóides realmente funciona).

    Há mulheres que têm propensão a
    infecções urinárias e são orientadas a fazer xixi logo depois da relação sexual. Se esse for o seu caso, é melhor continuar seguindo a recomendação médica.

    Outro truque que algumas mulheres arriscam é deixar as pernas para cima, em posição de "vela", com o quadril elevado, apoiado pelas mãos, alguns minutos depois do sexo. Se você for atlética, não custa tentar -- mas não vá despencar da cama!
    Olá amigas...
    Vim hoje agradecer por vcs seguirem,quero que vcs ajudem e se acharem materias úteis as tentantes podem me avisar colocamos aqui,não quero aqui apenas falar de mim e do meu dia dia nessa loucura que é ser tentante...
    Hoje eu e meu marido conversamos sobre o que fazer para realizar nosso sonho,pesquisando percebi que o melhor lugar para fazer uma fertilização ou uma inseminação é na Fundação ABC em Santo André,mandei um email para eles tirando algumas dúvidas,vou ver se ligo lá e marco uma consulta assim saberemos qdo poderemos fazer o nosso tratamento,qual vai ser e qto vamos gastar,sei que não conseguiremos fazer do dia pra noite mas se não for atrás fica mais dificil ainda porque não saberemos nada,precisamos conversar com o médico,ver as chances que teremos enfim tudo isso...
    Bom mais uma vez minha menstruação se foi,com isso mais um mês de tentativas se inicia porque tentar naturalmente vale a pena quem sabe conseguimos,não podemos desanimar não é mesmo???
    Obrigada queridas por estarem aqui,eu estou precisando de um cantinho para expor o que sinto e tudo o que tenho passado....
    Um ótimo começo de semana a vcs...
    beijusss

    sábado, 12 de março de 2011

    Ser mãe é dividir o espaço da cama com um corpinho que te joga pra fora e te deixa sem coberta, cujas perninhas não param de te chutar. Sem falar a cabecinha, que teima em lutar contra a lei da física, que diz que dois corpos não ocupam o mesmo lugar no espaço, e quer ficar em cima da sua…

    É desistir de assistir qualquer coisa, porque mãozinhas quentes pegam o seu rosto e seguram firme de encontro a narizinhos pequenos e arrebitados, escutando uma vozinha mansa falar “mamãe, olhe pra mim!”… Isso depois de brincar de carrinho, de trenzinho, de desenho, de esconde-esconde embaixo das almofadas…
    Ser mãe é ficar no banheiro, sendo enganada por um ‘cocô’ que não vem, enquanto um rostinho contente monta o quebra-cabeças do Rei Leão, Dálmatas, Dumbo ou Mogli… E quando vc diz que só vai montar outro depois do tal ‘cocô’, ter que escutar um “então ele não vem…”
    Ser mãe é fazer carinhas felizes em mãozinhas minúsculas e receber riscos na sua, acreditando que são outras carinhas felizes… É socorrer estas carinhas do papel, quando estão escondidas por riscos com medo do monstro…
    Ser mãe é sofrer por antecipação e chorar escondida pelo braço do papai
    quando tem de levar o pequeno fazer exame de sangue…
    Ser mãe é ser procurada na apresentação da escola, e receber um abraço apertado depois do final, depois de vários ‘beijinhos voadores’.
    É ter de ouvir a clássica pergunta, depois de vestir o uniforme pela manhã: “pra onde a gente vai??”. É ser recebida na porta da escola, no fim do dia, com abraços e beijos, seguidos de um “você veio!!” e logo depois ver um dedinho apontado pra pastelaria da frente pedindo pra comer pastel. E quando chega lá, sair com o pastel e um chocolate…
    Ser mãe é ouvir diariamente “Hum… Tive uma idéia!”, mas nunca saber qual idéia era…
    É virar a cidade atrás de uma fantasia do Homem-Aranha, e não achar, mas ficar encantada quando o vê vestido como ‘Batman’, e saber que ele ficaria irresistível com qualquer uma. Aliás, aquelas covinhas na bochecha quando ele ri é que são irresistíveis!
    É assistir 15 vezes no dia o Shrek, o Madagascar, a “Ela do Gelo”, a Lilo e Stitch, e escutar que vc estragou o filme do Nemo, sendo que vc ainda nem comprou o Nemo! Mas ser trocada pelo avô quando ele chega perto…
    É escutar que vc tem que comprar o filme do Sem-Floresta, do Carros, dos Incríveis, e todos os outros que vc ainda não tem e nem lembra o nome, pq seu baixinho ‘picisa’ deles…
    É ver o sol levar bronca porque queimou o braço do papai (que foi jogar tênis sem passar protetor solar…).
    É ver os amigos correndo em direção ao mar, e ver o seu filho correndo pra fugir do mar…
    Ser mãe é ouvir “mamãe, ti amo muito muito…”! E não tem nada melhor do que isso…
    Ser mãe é ficar aflita com febres e tosses, é levantar de madrugada pra levar ao banheiro, é ficar desesperada quando eles se escondem nas lojas de brinquedo no shopping, é ter de colocar de castigo quando eles mordem o amigo… mas ter de presente todos os dias um sorriso doce de uma pessoinha que não é terrível nem ‘preguicinha’,
    Andressa Mottin Wlodkowski , mãe do Giovanni

    Noites Traiçoeiras...

    Deus está aqui neste momento.
    Sua presença é real em meu viver.
    Entregue sua vida e seus problemas.
    Fale com Deus, Ele vai ajudar você.

    Deus te trouxe aqui
    Para aliviar o teu sofrimento.
    É Ele o autor da Fé
    Do princípio ao fim,
    De todos os seus momentos.

    (refrão)
    E ainda se vier noites traiçoeiras,
    Se a cruz pesada for, Cristo estará contigo.
    O mundo pode até fazer você chorar,
    Mas Deus te quer sorrindo. (bis)

    Seja qual for o seu problema
    Fale com Deus. Ele vai ajudar você.
    Após a dor vem a alegria,
    Pois Deus é amor e não te deixará sofrer.

    Deus te trouxe aqui
    Para aliviar o seu sofrimento.
    É Ele o autor da Fé
    Do princípio ao fim,
    De todos os seus momentos.

    (refrão)
    E ainda se vier noites traiçoeiras,
    Se a cruz pesada for, Cristo estará contigo.
    O mundo pode até fazer você chorar,
    Mas Deus te quer sorrindo.

    Gravidez Ectópica.

    O que é?
    Gravidez ectópica é a gestação que ocorre fora da cavidade uterina.
    O que causa?
    As causas incluem todos os fatores que retardam ou impedem a passagem do ovo para a cavidade uterina. Podem ser:
     

    fatores mecânicos, como as causas inflamatórias e suas conseqüências, os tumores ou anormalidades do desenvolvimento das trompas e as cirurgias sobre as trompas
    fatores funcionais, que agem diminuindo a motilidade das trompas. Incluem o fumo,
    o próprio processo de envelhecimento e drogas hormonais como as indutoras da ovulação e a progesterona usada em mini-pílulas, a pílula do dia seguinte e o DIU contendo progesterona.

    Como se desenvolve?
    A grande maioria das gestações ectópicas ocorre nas trompas. Na maior parte das vezes se localiza nas porções distais, principalmente na ampola.
    A gravidez ectópica geralmente sofre interrupção (ruptura) entre 6 e 12 semanas, dependendo do local onde está implantada, sendo tanto mais precoce quanto menor o calibre da luz tubária do segmento em que estiver implantada.
    Como se faz o diagnóstico?

    A gravidez ectópica pode representar uma emergência cirúrgica, portanto seu diagnóstico precoce é essencial. Na gravidez ectópica não interrompida, a paciente pode não ter sintomas ou ter sintomas mínimos.
    Alguns exames podem ser realizados para diferenciar a gestação ectópica de outras doenças, tais como ameaça de aborto, gestação normal, infecções das trompas, apendicite, cisto de ovário torcido.
    Os exames comumente solicitados são testes para confirmar a gravidez, exames de sangue para determinar a perda sanguínea e a presença de infecção e a ecografia pélvica transvaginal.
    Podem ser necessários outros exames como a punção do fundo de saco vaginal com agulha grossa para determinar a presença de sangue dentro da cavidade abdominal e a realização de uma laparoscopia diagnóstica.
    O que se sente?
    Os sinais e sintomas clássicos são:
     
    *história de atraso menstrual seguida por sangramento vaginal anormal
    *dor pélvica ou abdominal de intensidade variável
    *presença de massa palpável dolorosa em região de anexos (trompas e ovários).

    Quando ocorre ruptura da gravidez ectópica, há uma hemorragia importante para dentro da cavidade abdominal, com a ocorrência de dor abdominal de intensidade variável, de tonturas, dor no pescoço ombro e desmaio.
    Como se trata?
    O tratamento pode ser expectante naqueles casos onde a gravidez ectópica se localiza na trompa e ainda não rompeu, mede menos de 4 cm, não se constata a presença de batimentos cardíacos fetais e os níveis hormonais estão diminuindo.
    O tratamento cirúrgico, que em alguns casos pode ser conservador, preserva a trompa e geralmente é realizado por laparoscopia, sendo a laparotomia uma medida muitas vezes salvadora em uma paciente com comprometimento hemodinânico (porque já houve sangramento importante para dentro da cavidade abdominal - sangramento oculto).
    Como se previne?
    A prevenção da gravidez ectópica inclui fundamentalmente o tratamento das doenças sexualmente transmissíveis, o uso de métodos anticoncepcionais adequados e a prática de sexo seguro.

    Gravidez química e gravidez clínica

    As perdas embrio-fetais espontâneas podem definir-se com distintos nomes, segundo o modo como foi diagnosticada a gravidez. Fala-se de aborto bioquímico quando a gravidez se detectou mediante um teste, mas não chegou a documentar-se a presença do saco gestacional através da ecografia. Neste caso, é possível que o problema se tenha apresentado na implantação do embrião. No aborto clínico, pelo contrário, a gravidez tinha sido documentada pela presença do saco gestacional mediante uma ecografia.
    Clinicamente, a detecção da gravidez costuma manifestar-se de formas distintas. Às vezes, produz-se o aborto propriamente dito, com a expulsão do produto da concepção de forma completa ou incompleta, através da perda de sangue. Neste último caso, pode requerer-se uma intervenção cirúrgica para eliminar o tecido residual. Outras vezes, pode não haver perdas de sangue, e tratar-se de uma gravidez anembrionária, onde a ecografia permite documentar a presença do saco gestacional, mas não de um embrião no seu interior.

    As causas

    Estatisticamente, o risco de sofrer um aborto devido ao acaso oscila entre os 15 e os 18 porcento. A possibilidade de que um casal tenha dois abortos consecutivos devido ao acaso, como acontecimentos independentes, é de 5 por cento, e este índice diminui para menos de 0,5 por cento na terceira tentativa. No entanto, se a primeira perda não obedece ao acaso, o risco de que a situação se repita na segunda gravidez eleva-se para 25 por cento, e aos 35 por cento depois de dois abortos consecutivos. Por esta razão, se a mulher teve dois abortos seguidos, deve consultar um especialista, para estabelecer as causas que motivaram as perdas.

    Embora os motivos da infertilidade possam ser múltiplos, uma elevada percentagem de gravidezes perde-se por causas genéticas (um “mau” espermatozóide, um “mau” óvulo, ou um defeito no embrião produzido durante o processo de fertilização). Geralmente, tratam-se de mutações cromossómicas que impedem o desenvolvimento do embrião. Habitualmente, os problemas genéticos associam-se a perdas de gravidezes anembrionárias, aquelas em que se forma o saco, mas não se consegue visualizar o embrião, situação que pode comprovar-se mediante uma ecografia entre a sexta e a oitava semana.
    Por vezes, estas perdas podem ser aleatórias, ou seja, que justamente “esse” óvulo, “esse” espermatozóide, ou “esse” embrião, foram os causadores do aborto. Mas outras vezes, as alterações genéticas não são isoladas, mas sim resposta a algum transtorno materno ou paterno que é necessário identificar mediante uma análise a ambos os membros do casal.

    Como influencia a idade

    Os abortos repetidos estão intimamente relacionados com a idade materna, dado que depois dos 36 ou 37 anos a qualidade dos óvulos vai diminuindo e a possibilidade de se apresentarem transtornos genéticos é maior. Por isso, quanto mais avançada é a idade da mulher – dado que a qualidade dos óvulos vai diminuindo – maiores são os problemas de implantação, e como consequência, a percentagem de abortos será mais elevada. No homem, geralmente depois dos 60 anos, os espermatozóides também começam a mostrar alterações que podem levar à perda da gravidez.

    Uma complicação de causas diversas

    Muitas vezes, o motivo do aborto pode ser o que se denomina incompetência cervical; ou seja, certas anormalidades no colo do útero que causam a perda. Assim, alguns transtornos maternos como as doenças endocrinológicas, a diabetes, os problemas de tiróide, algumas infecções (HIV, Clamídia, HPV, Herpes), as colagenopatias, e a hipertensão, entre outros, podem ser causa de abortos repetidos. O mau funcionamento do sistema imunitário da mãe é outro dos factores desencadeantes de perdas embrio-fetais. Neste caso, a mulher pode produzir anticorpos que actuam contra o próprio organismo afectando a irrigação da placenta e do feto, ou então aloanticorpos, como uma manifestação de recusa das células paternas.